Hong Kong

Hong Kong e Macau


Mais uma super colaboração da minha irmã viajante Fernanda. Não deixem de ver também os posts da Austrália, Nova Zelândia e do Japão, que ela já escreveu!


Vim contar para vocês um pouco da minha experiência em Hong Kong. Tinha apenas quatro noites na cidade, e havia decidido visitar a Disney Hong Kong em um dos dias (post sobre isso logo mais!), em outro, conhecer a ilha de Macau, logo, só dois dias em Hong Kong mesmo.

No último dia, ocorreu um tufão na cidade e fomos instruídos a não sair do hotel, portanto, menos um dia de turismo. Assim, foi pouco o tempo que tive para visitar novos locais, mas tentei aproveitar ao máximo percorrendo as principais atrações.

Hong Kong

Hong Kong é dividida em Novos Territórios, Kowloon e Ilha de Hong Kong. É uma das duas regiões administrativas especiais (RAE) da República Popular da China, a outra é Macau, que vou falar um pouquinho mais abaixo.

A população é composta por 95% de etnia chinesa e 5% de outros grupos étnicos. O território é pequeno, e a falta de espaço traz grande demanda de construções altas. É um dos maiores PIB per capta do mundo.

Logo no primeiro dia visitei o Victoria Peak. Já era noite quando cheguei na cidade, e recomendo fazer a visita à noite mesmo. Durante o dia deve ser linda também, mas à noite tem um charme a mais.

Hong Kong e Macau

Com o funicular você chega ao The Sky Terrace 428, um espaço com várias lojas e restaurantes. No seu ponto mais alto existe um terraço com a vista de toda Hong Kong (ingresso à parte).

Hong Kong e Macau

Se não quiser subir para o Sky Terrace você pode ficar pelo Peak, que já tem uma visão linda da cidade. Por ser conhecida por seus arranha-céus e edifícios, o panorama de cima é lindo. Mas recomendo comprar o ingresso e subir no terraço.

Para subir no Peak, você pode fazer uma caminhada até o local, pegar um ônibus ou o funicular Peak Tram. Já aviso que a fila deste último é desorganizada e grande. Ninguém respeita ninguém e todos se apertam para caber no trenzinho. É um momento bem desconfortável, porém mais rápido que pegar o ônibus ou ir caminhando.

A ilha de Lantau é a maior de Hong Kong.  Nela, você pode pegar o Ngong Ping 360, um teleférico – a opção mais cara de cabine tem chão de vidro (não achei nada de mais) ou uma cabine comum. Do outro lado do teleférico você chega a Ngong Ping Villa, uma área de comércio, que, além de lojas e restaurantes, possui vários animais como vacas e cavalos. Caminhando por ela, é possível enxergar o Tian Tan Buddha e Monastério de Po Lin, dois grandes pontos turísticos.

Hong Kong e Macau Hong Kong e Macau

Para chegar perto da estátua de bronze de Tian Tan Buddha, também conhecida como Grande Buddha, é necessário subir uma grande escadaria.

Hong Kong e Macau

Muito próximo à estátua fica o Monastério Po Lin,  fundado em 1906 por três monges e hoje um dos principais centros budistas da região.

Ademais de centros religiosos, Hong Kong possui milhares de opções para compras. O China Hong Kong City é uma boa pedida, com lojas de luxo e também populares, além de restaurantes.

Tsim Sha Tsui é um importante centro turístico na ao sul de Kowloon, com muitas lojas e restaurantes sofisticados que atendem turistas. Vários dos museus de Hong Kong estão localizados na área. É um lugar descolado para ir à noite e conhecer os bares e restaurantes. Fui jantar no London House Hong Kong, do chef estrela Gordon Ransay. A comida não era típica chinesa, mas um estilo americano, e delicioso!

Hong Kong e Macau

Macau

Macau é uma das regiões administrativas especiais da República Popular da China desde 20 de dezembro de 1999. Antes disso, foi colonizada e administrada por Portugal durante mais de 400 anos.

Para chegar em Macau a partir de Hong Kong é pode-se pegar uma balsa. Não é exigido visto, mas você precisa ter seu passaporte em mãos.

Hong Kong e Macau Macau

Chegando no porto, pergunte pela linha de ônibus que tem parada próxima às Ruínas de São Paulo, um dos pontos turísticos mais famosos da região.

Peguei o ônibus achando que saberia onde descer, porém, quando percebi, não tinha ideia de onde estava. Tentei pedir informações, mas ninguém falava inglês. Mesmo sendo colônia portuguesa por muito tempo, ninguém fala português também.

Macau

Decidi descer em uma parada aleatória e fiquei muito perdida. Mas com isso conheci a verdadeira Macau. Uma região muito pobre e feia. Fiquei um pouco chocada com a realidade, pois pelas fotos imaginava um local histórico e bonito, mas isso era apenas no centro. A realidade da região é bastante precária.

Macau

Depois de andar muito e ficar levemente desesperada eu finalmente encontrei a área turística. Por todos os lados existem placas na Língua Portuguesa, assim como calçadas em mosaico e fachadas coloniais. Além disso, Macau concentra vários cassinos, tão bregas quanto os mais bregas de Las Vegas.

Macau
Ruínas de São Paulo

 

Macau
Cassinos

Macau Macau Macau

Confesso que fiquei bastante decepcionada com a visita, não achei um ponto turístico indispensável. É, na realidade, bastante velho e mal conservado. No final do dia estava de volta à Hong Kong.

No último dia de viagem acabamos sendo surpreendidos com a chegada de um tufão. Infelizmente ficamos confinados no hotel torcendo para que ele passasse. Tudo deu certo no final!

 Por Fernanda Saviano

Opine aqui à vontade!

Deixe uma resposta

0 comentários