África do Sul

Visita a Ilha Robben, em Cape Town!

Um dos passeios mais legais de se fazer na Cidade do Cabo é visitar a Ilha Robben, local onde Nelson Mandela e outros grandes figurões políticos ficaram presos durante anos por causa do regime Apartheid.

Vale frisar que esta não foi a única prisão onde Mandela ficou encarcerado, entretanto, foi a que ele mais passou tempo. O ticket para ir até lá é concorrido, compre com pelo menos um mês de antecedência! Custa ~80 reais por adulto. E ainda há chance de ser cancelado devido às condições climáticas.

 Ilha Robben
A caminho da Ilha Robben

Bem, com o ticket comprado, seja pontual e vá para o local de onde sai o passeio, um estabelecimento bem sinalizado em Waterfront (difícil não passar por este píer cheio de lojas e restaurantes, meio que símbolo de Cape Town, falarei mais a respeito num post dedicado apenas pra cidade!). Há uma fila e um raio X de segurança antes de entrar no barco.

 Ilha Robben
A entrada do local onde pegamos o barco para a ilha, em Waterfront!

O trajeto desde a terra firme até a Ilha Robben demora cerca de 45 minutos e gostei bastante, a vista é linda!

 Ilha Robben
O barco

Tour na Ilha Robben

Chegando lá, todos do barco são separados em ônibus. No meu dia acho que eram uns 3 grupos… apesar de velhos, os ônibus eram bem grandes, vários lugares para sentar. Vem então um guia com microfone, que te leva para conhecer a ilha.

 Ilha Robben

 Ilha Robben

 Ilha Robben
Os busões

Adorei as narrações dele, havia uma raiva sincera nos seus relatos, quando mostrava cemitérios de leprosos, casas de tortura psicológica, centros de trabalho forçado…

Cada história triste e impactante que ele contava, gente! Das injustiças contra pessoas que só lutavam pela igualdade dentro de seu próprio território! Foi de arrepiar!

 Ilha Robben

 Ilha Robben
Pela janela…
 Ilha Robben
Pela janela 2…

Esse tour demora uns 45 minutos com parada para lojinha de snacks e fotos da “terra firme”, vulgo Cidade do Cabo distante. Algumas pessoas vivem na Ilha Robben, mas são poucas.

Para fazer quase tudo precisam pegar um barco até a cidade. Até as crianças, para irem à escola, devem tomar um transporte. De lá da parada, o ônibus nos deixa de fato na prisão.

 Ilha Robben
Eu posando com a “terra firme” ao fundo

Prisão

Daí, quem lidera essa parte do passeio e torna-se o guia é um ex-preso político da época! Muito bacana essa sacada, né? Uma maneira de valorizá-los e também aproximar o turista da realidade vivida naquela ilha.

 Ilha Robben
Nosso guia da prisão

Somos conduzidos para dentro prisão até uma sala ampla, onde todos do ônibus cabiam. Lá, por cerca de meia hora, nosso guia conta o dia a dia na prisão, dos absurdos que sofriam, como faziam para se comunicar, comer, ver suas famílias, debater temas políticos… aulão de história ao vivo!

 Ilha Robben

 Ilha Robben
Todos reunidos para ouvir o relato

Há espaço para perguntas também, e todos os turistas tem a liberdade para sanar qualquer curiosidade, desde como tomavam banhos, relacionamento com os guardas, etc etc

Então o guia nos conduz por dentro da prisão até a cela onde Mandela ficou preso. Ela é uma cela igual a todas as outras, tanto que até tive dificuldade em reconhecer rsrs! Mas seu número é histórico, 46664, por ter sido o 466º preso no ano de 1964.

 Ilha Robben
Corredor das celas

 Ilha Robben

 Ilha Robben

 Ilha Robben
Pátio onde presos tomavam sol

Impressões

Após essa visita impactante, temos alguns minutos livres para ver lojinhas (sempre elas hahaha o mundo capitalista tá aí, né!) e tirar algumas últimas fotos até o barco de volta para o Waterfront.

O passeio todo durou das 4 horas, 13h até às 17h, incluindo o trajeto de barco. Há opções de outros horários também, como pela manhã.

 Ilha Robben
Por dentro do barco

Achei a visita super bem estruturada, organizada e rica em informações! O passeio para a Ilha Robben vale muito a pena e abre nossos olhos para a triste realidade que foi o Apartheid. Quem puder, vá!

Beijos,

Amanda


O passeio foi oferecido ao blog amandAqui como cortesia, o que não interfere na opinião expressada neste post.


 

Opine aqui à vontade!

Deixe uma resposta

14 comentários

    Visita impactante mesmo, como tu mesma disseste, nossa, mas achei incrível. Deve ser emocionante e o lugar tem também vistas lindas, né. Beijos.

    alexandrajoia
    Responder

    Caramba esse post chegou super em boa hora. Iremos em Fevereiro e o passeio está no top da lista. Visitamos Alcatraz em SF e adoramos, não deixarei de visitar essa ilha com certeza. Obrigada.

    Alessandra Fratus
    Responder

    Emocionante! A história da África do Sul é tão linda e forte… Já estou planejando minha próxima visita ao país pra conhecer Cape Town. Vou me dedicar exclusivamente a essa região, que parece incrível!

    Não conhecia esse passeio. Muito importante não esquecer o passado ainda mais tão recente. Além de um lindo cenário de passeio de barco.

    Um passeio histórico e com um percurso cheio de lindas paisagens.
    Muito legal a iniciativa de colocar um ex-preso pra contar todos os detalhes, torna a visita mais realista.

    Um passeio histórico e com um percurso cheio de lindas paisagens.
    Muito legal a iniciativa de colocar um ex-preso pra contar todos os detalhes, torna a visita mais realista.

    Diego Cabraitz Arena
    Responder

    Nossa, que passeio diferente mas muito interessante. Sempre que pesquisei sobre a Africa do Sul nunca tinha visto sobre essa ilha.
    Achei linda e cheia de história. Sua foto com a terra firme ao fundo ficou bem legal!

    O Apartheid é mais um dos capítulos negros da história da humanidade. É difícil de entender estas trajetórias. Deve ser bem doído ver tudo isso de perto, ao vivo, principalmente com narrativa local. A energia deve ser bem forte, triste… Ainda bem que tudo isso acabou. Tomara que jamais se repita!

    Waowww.. Passeio incrível… Deve ser emocionante, Ainda não fui para a África, mas já quero!! =)

    Realmente impactante. Visitar um local onde pessoas ficaram presas é de arrepiar, mas é bom conhecer algumas histórias assim para que a nossa geração não cometa os mesmos erros do passado