Inka Jungle e Machu Picchu

Antes de começar a escrever, queria mandar um oi pra Gi Ranieri, amiga querida que acompanha o blog e sempre está me apoiando e animando. Beijo Giii! Hehe

Bom, a van passou para nos pegar no hostel às 8hrs da manhã em direção à Inka Jungle. Pra quem não leu o post anterior, eu não estava me sentindo bem na noite antes do tour. Não deu outra: assim que nos instalamos na van com as outras pessoas, vomitei meu café da manhã. Sim, foi péssimo. Eu, que nunca fico doente, muito menos tenho problemas básicos tipo dor de cabeça, estava me sentindo um lixo de pessoa justo no dia que iria fazer uma trilha de quatro dias. Great timing.

Mesmo assim, resolvi seguir adiante. No grupo, estávamos eu, meu amigo suiço, minha amiga holandesa (a alemã estava sem condições de andar por conta do seu joelho e acabou não indo), dois australianos, quatro coreanos e quatro israelenses. Terminamos a trilha bem amigos todos.

A primeira parte consistia em dirigir até um povoado por 4 horas e depois descer de bike uma estrada por três horas. Até aí tudo bem, porque era descida. Mas imagina que você está sem almoço (nem café da manhã, já que ele foi pra fora do meu estômago), sem água, sem banheiro e ainda por cima enjoado, com muuuita vontade de vomitar. Sem contar a chuva caindo, o vento frio no ouvido e os caminhões que vinham rápido da estrada e ficavam buzinando atrás de você. Três horas que demoraram a passar pra mim.

Nos preparando para descer a estrada de bike
Nos preparando para descer a estrada de bike

Finalmente, chegamos no povoado de Santa Maria, almoçamos e descansamos. A janta foi cedo e logo fomos dormir, pois estávamos mortos e tínhamos um longo dia seguinte. E que dia… adivinhem… OITO horas de caminhada, sendo duas delas APENAS SUBIDA. Com uma mochila de uns 5 kg nas costas. Ainda enjoada. Tudo que eu precisava era de um helicóptero pra me tirar do meio da selva.

Eu, que sou a louca das fotos (tiro foto de tuuudo), nem sequer tinha forças para tirar a câmera da mochila e sacar umas fotitos. O que me motivava era saber que parte da trilha era da Inca Trail original, que os incas realmente utilizavam, e eu queria muito vê-la. A vista é estonteante e eu gostei, mas preferia que um carro tivesse me levado até o topo rsrs. Essa trilha comprovou que por mais hippie que eu esteja neste mochilão eu sempre serei uma autêntica city girl, confortável com barulho de carros e vida agitada. Montanha é linda, mas não é pra mim.

Inca Trail original
Inca Trail original
Um pouco da vista
Um pouco da vista

Ao fim da extensa caminhada (paramos umas 2 hrs para almoçar), uma recompensa: piscinas termais! Água quentinha quentinha para amenizar a dor no pé. Infelizmente não tirei fotos… pois é, este post vai ser com menos fotos devido ao meu cansaço rsrs

Pegamos uma van até a cidade de Santa Teresa, onde dormiríamos. Jantamos por lá e descansamos. No dia seguinte, começamos o dia um pouco mais tarde, às 10hrs, e uma van nos deixou na chamada hidrelétrica, lugar onde o pessoal vai caminhando até Águas Calientes. Aliás, queria explicar isso, pois foi algo que me confundiu moooito ao me planejar para MP: a cidade que você deve se direcionar para visitar MP é Águas Calientes, não existe nenhuma cidade mais próxima ou algo como “cidade de MP”.

Da hidrelétrica, duas horas de caminhada por uma linha de trem, com parada rápida no meio da estrada para almoço. Ah, todas as refeições estão incluídas no pacote da trilha. Essa linha de trem é um trem que de fato funciona e leva as pessoas até Águas Calientes. Inveja master quando eu via o povo todo bonitinho sentado no trem e eu morta pingando caminhando. Enfim, perrengue que eu topei fazer e queria tentar. Trilha nunca mais hahaha

Linhas do trem
Linhas do trem

Chegando em Águas Calientes, fomos cada um para seu hostel. Já estava com a saúde boa e muito melhor, ainda bem. Descansamos e nos encontramos para jantar num restaurante. Aproveitamos (eu e meus dois amigos) para já comprar o ônibus para MP. Seguinte: quem quer, pode escalar (sim, apenas subida) por uma hora a montanha de MP, e pra isso não paga nada. Mas o nosso guia havia dito que era bem íngreme e eu não estava afim de escalar uma montanha às 4hrs da manhã (horário que temos que sair para ir até MP), então optei por comprar o ônibus ida e volta do topo da montanha (cerca de 20 dólares os dois trajetos).

Águas Calientes é uma gracinha, há desde hotéis de 1000 dólares a diária até hostels como o que eu fiquei rsrs. Restaurantes bons, bancos, lojinhas, mercadinho, enfim, bem turística mas uma graça.

Dormimos cedo pois no dia seguinte acordamos às 4 hrs da manhã para pegar o ônibus até MP. Chegando lá, nos encontramos com as outras pessoas do nosso grupo (a grande maioria escalou a montanha) e nosso guia antes de entrar. Ah, na entrada encontramos nossa amiga alemã, que não fez a trilha conosco, mas uma excursão de dois dias e uma noite e encontrou a gente lá.

Vista lindaaa
Vista lindaaa

Entramos juntos e o guia fez uma explicação de mais ou menos uma hora sobre as ruínas. Contudo, o inglês dele era tão ruim que não entendi metade do que ele falava hahaha. Dali, ficamos livres até às 10h30 da manhã para explorar MP.

óia eu
óia eu

Pessoalmente, não gostei de MP quando adentrei o sítio. Sei lá, não me impressionou, mas eu acho que é porque a entrada é logo no meio das ruínas, e isso tira um pouco da grandiosidade da coisa. Apenas quando escalamos um pouco mais acima que me surpreendi com a vista geral de MP, realmente é muito incrível e bonito.

Na saída, é possível carimbar seu passaporte com o carimbo de Machu Picchu, e eu achei muito legal! Hahaha

20150506_185119

Voltamos para Águas Calientes e seguimos andando as duas horas pela linha de trem até a hidrelétrica. Bônus: caí no meio do caminho e torci o pé! Consegui terminar o percurso, mas no dia seguinte mal podia andar… Well, da hidrelétrica várias vans saem para Cusco. Como haviamos feito o pacote, nossa van já estava inclusa e tínhamos que esperar nosso nome ser chamado. Surpreesaaa: todas as vans indo embora e nenhuma com nosso nominho para nos levar de volta!

Mas nós não estávamos na pior: apesar de ter um carinha organizando tudo, o negócio era uma bagunça, um xingando o outro, rolou até briga! Tipo de soco mesmo, entre um irlandês e o motorista!! Kkk

Nos mantivemos calmos e pacientes e eventualmente nos colocaram numa van para as 4hrs de viagem até Cusco.

MP é uma experiência, e eu fico feliz de tê-la feito assim, com trilha, de perrengue mesmo, pois é algo pra mochileiro fazer, meus pais nunca topariam fazer comigo. Olhando agora, fico feliz que tenha feito, ainda mais com meus amigos. Valeu a pena sim. Ah, saldo: 40 (isso mesmo, QUARENTA) picadas de mosquito e oito bolhas no pé.

Beijos,

Amanda

O blog Juny pelo Mundo deu dicas de onde comer em Aguas Calientes! Confira!

5 comentários Adicione o seu

Opine aqui à vontade!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s